Turismo ajusta projeto e Estado volta a liberar verba do Dade para o Trem Republicano

A novela do esperado Trem Republicano ganhou mais um capítulo nesta semana. Segundo as prefeituras de Salto e Itu, a atração turística, que contemplará um trajeto de ferrovia entre os dois municípios, quase teve seu convênio suspenso pelo Governo do Estado de São Paulo devido às falhas técnicas no projeto durante as gestões anteriores, fato que teria provocado a paralisação do envio das verbas para a continuidade das obras.
Para os ituanos e saltenses, o sonho do Trem Republicano efetivamente funcionar renasceu com a assinatura de um documento garantindo que os impasses que impediam o andamento das obras estão solucionados.
Foram assinados os aditivos dos convênios estaduais (Convênio DADE/Salto nº 133/2013 e convênio DADE/Itu nº 103/2013), que tem como objeto a execução da ferrovia do Trem. A assinatura desses aditivos significa que a readequação do projeto do Trem Republicano, que estava em tratativa junto ao DADE por parte dos dois municípios, foi finalmente aprovada.
Toda a reorganização e readequação da parte ituana do projeto contou com empenho da Secretaria Municipal de Planejamento que, desde o início de 2017, manteve contato com o Dadetur (Departamento de Apoio ao Desenvolvimento dos Municípios Turísticos) visando obter orientações para os ajustes técnicos e prestando os devidos esclarecimentos sobre a aplicação dos recursos referentes ao Trem Republicano.
O acerto dos detalhes aconteceu na presença do secretário de Estado do Turismo, Fabrício Cobra, que esteve recentemente nas duas vistoriando as obras turísticas, juntamente com os secretários municipais Turismo Vinicius Salton (Itu) e de Desenvolvimento Econômico Anitta Moraes (Salto) e os prefeitos das duas cidades: “Esse é um momento de extrema importância na história desse projeto. Resolvemos um impasse que perdurava há muito tempo perante o Dadetur e, praticamente, salvamos algo que estava à beira do cancelamento”, comentou Salton.
A expectativa após a assinatura dos convênios é que Itu deverá receber nos próximos dias um repasse de aproximadamente R$ 1,7 milhão para a continuidade do Trem Republicano.
Durante a reunião, Guilherme destacou o empenho da co-irmã Salto: “Se existe uma pessoa que merece os méritos pelo trem, que vai apitar em breve, essa pessoa é o Geraldo Garcia. Ele não está medindo esforços para que esse complexo turístico possa proporcionar emprego e renda para Itu e Salto”, afirmou Gazzola.
Conselho Fiscal – Também foi realizada na manhã desta terça-feira a reunião do Conselho Fiscal do Citrem, onde foram apresentadas as contas dos exercícios anteriores, bem como a previsão orçamentária para 2018. Os vereadores solicitaram a apresentação das notas fiscais daquilo que foi pago em 2017, com isso ficou marcada uma apresentação dessas notas para análise dos vereadores, que compõem o Conselho Fiscal, na próxima semana e uma Assembleia Extraordinária do Conselho foi marcada para o próximo dia 20, para a deliberação das contas.
Durante a sessão legislativa saltense, o vereador Edemilson Santos afirmou que o prefeito ituano Guilherme Gazzola foi prepotente e arrogante: “O prefeito de Itu não gostou dos nossos questionamentos e pedidos. Não vou assinar por assinar. Ele (prefeito) tentou me destratar por várias vezes, mas não vou abaixar a cabeça. Meu papel é fiscalizar”, disse Edemilson.
Sem Locomotiva – Mas para o Trem Republicano apitar é preciso uma locomotiva e nenhuma das duas cidades ainda possui. A primeira e última tentativa de conseguir uma locomotiva não teve sucesso. Mesmo com o aval do Dnit (Departamento de Infraestrutura e Transporte) ligado ao Governo Federal, a locomotiva abandonada em Ribeirão Preto não saiu da cidade. Os equipamentos foram colocados até mesmo numa carreta, mas uma liminar e também os protestos das entidades locais em prol do patrimônio histórico da cidade impediram a saída da locomotiva.