Ministério Público deverá investigar Viação Itu

O Ministério Público deverá investigar as alterações nas linhas de ônibus e também o aumento das tarifas do transporte público local. O pedido foi protocolado na tarde de segunda-feira, 7, por integrantes do PSOL.
Eles lembram que anteriormente era obrigatório a ampla divulgação do aumento por trinta dias, o que não ocorreu neste ano. Eles também querem que os vereadores abram uma CPI para investigar o contrato entre a empresa e a Prefeitura de Itu. “Não temos abrigo, não tem terminal de transbordo e a situação do transporte está precarizada”.
“Este foi o primeiro passo, para pedir ajuda do judiciário, para que ele possa intervir”, diz o professor Cidoman. “Muitos alunos estão tendo que levantar uma hora mais cedo e chegar em casa uma hora mais tarde, isto pode gerar um grande déficit de atenção”, diz o professor.

Ajustes
O diretor de Comunicação das empresas Viaçao Avante e Itu disse que as mudanças nas linhas foram necessárias devido à inauguração da nova sede da Apae. “Trata-se de uma nova demanda e, toda vez que acontece algo do tipo, na rotina de deslocamento dos usuários, as empresas de transporte têm de adequar os serviços para atender os novos polos geradores de tráfego”, explica Paulo Bardall.
Segundo ele, a empresa tem ouvido os clientes e atendido a maioria das reivindicações. “Na última semana, foram feitos ajustes nas linhas 18 e 2. A linha 18, por exemplo, passou a atender os estudantes da escola Cesário Motta, pois o itinerário incluiu a Rua Thomaz Simon. Foram colocados mais ônibus a partir do bairro Itaim, às 6h35 e às 11h35, para atender os horários nos quais os veículos trafegam com maior número de passageiros. Também foi ampliado o atendimento aos estudantes que moram no São Camilo e estudam na Vila Lucinda. Colocamos carros extras nos horários das 06h10 e 11h30, com saídas da rodoviária, e previsão de passagem no São Camilo às 06h40 e 11h55, respectivamente, com destino à Vila Lucinda”, afirma Paulo, lembrando que outra demanda que está sendo atendida é manter na escala da linha 18 os mesmos motoristas.
Contrato
Segundo a Assessoria de Imprensa da Prefeitura, “houveram erros cometidos na gestão anterior, que obrigou o cumprimento do contrato com a Viação até 2021, diante de uma tentativa de ruptura sem os elementos legais necessários”
Questionada se a empresa está cumprindo o contrato, a Assessoria respondeu que “a atual administração age com extrema atenção em relação ao contrato” e “todos os estudos e análises já foram feitos logo no início deste governo e as dúvidas subsequentes estão sendo esclarecidas de acordo com a necessidade por meio de protocolo, através da Procuradoria da Prefeitura.”