Prefeitura garante que reservatórios de água estão com 100% de sua capacidade

Em nota divulgada pelas redes sociais e aos meios de comunicação do município, a Companhia Ituana de Saneamento informou no início da semana que os reservatórios de água do município estão com 100% de sua capacidade neste momento.
“Em razão de um substancial aumento do consumo de água ocorrido esta semana, algumas manutenções corretivas realizadas acabaram gerando transtornos mais perceptíveis à população de alguns bairros do município; as manutenções e intervenções são necessárias para garantir o pleno abastecimento dos munícipes”, continua a nota, que se encerra dizendo “pedimos desculpas pelos transtornos ocorridos e contamos com a colaboração de todos para que consumam a água com consciência. Convidamos os interessados a visitarem nossos reservatórios caso seja de interesse. ”
Questionada pela nossa reportagem, a Prefeitura informou que o aumento do consumo, registrado pelo Centro de Controle Operacional – CCO, foi uma média de 30%, sendo superior a isso em determinados horários.
Desde 14 de junho, a cidade recebeu chuvas significativas apenas no período entre 15 e 20 de agosto: apenas seis dias em três meses. Apesar disto, a Prefeitura afirma que todos as represas que abastecem a cidade estão com 100% de sua capacidade útil, e hoje não há risco de desabastecimento.
Perguntamos se há uma previsão de quanto tempo ainda os reservatórios funcionarão normalmente, se a estiagem persistir, mas não houve resposta.
A captação do Mombaça ainda não está pronta, mas se houver a necessidade ela poderá ser utilizada, em caso de emergência. A assessoria afirmou ainda que “persistindo as temperaturas elevadas, deve se manter este consumo de água. Uma redução poderá acontecer com o advento de chuvas, previstas antes do final do mês, e/ou a queda de temperatura.”
Na postagem realizada no Facebook, o comunicado recebeu diversos comentários de moradores do Centro, Vila Esperança, São Camilo, Chácara dos Machados, reclamando da falta e da qualidade da água. Os problemas foram tratados como “pontuais”. Para Renata Assunção, moradora do Bairro Rancho Grande, a questão da água é complicada. “Nosso bairro sempre sofre com a questão de água. Ela está chegando muito fraca”, diz. Para a moradora do Parque Industrial, Giovana Pereira, o melhor é prevenir do que remediar. “Já comprei uma caixa de 5 mil litros. A região toda está sem água e quando vem, é apenas um fio.”

Trauma
Em 2014 a cidade sofreu a maior crise hídrica de sua história. Alguns bairros chegaram a ficar semanas sem receber nenhuma gota d’água em suas torneiras. Caminhões pipas foram acionados, mas insuficientes para resolverem o problema. Foram mais de 10 meses de racionamento e crise hídrica. A construção da adutora Mombaça visava captar água dos ribeirões do Mombaça e do Pau d’Alho mas a obra nunca chegou a ser concluída com êxito.