Famílias de ocupação irregular em cemitério abandonado poderão ser retiradas do local nas próximas semanas

Nas próximas semanas, a Justiça local e a Polícia Militar de Itu deverá ser notificada da decisão final do Supremo Tribunal Federal – STF e iniciar o processo de planejamento para a reintegração de posse da área do Cemitério Memorial Pedra da Paz Universal, as margens da Estrada Velha Itu-Salto.
Nesta semana, a reportagem do Jornal Agora Itu contatou um dos representantes da empresa proprietária da área, a BSC Empreendimentos Imobiliários, que confirmou a situação: “Estamos aguardando apenas o retorno dos trabalhos do setor judiciário para que eles sejam oficialmente notificados da decisão da ministra Carmém Lúcia, do STF, que culminará na reintegração de posse da área pertencente a empresa. A partir da notificação, que deve acontecer na próxima semana, vamos novamente nos reunir com a Polícia Militar para planejar a reintegração. Tentaremos novamente o diálogo para evitar conflito”, comentou Mâncio Loyola, representante da empresa.
Ao longo dos últimos, a área de propriedade da BSC Empreendimentos teve o número de moradores irregulares ampliado e a estimativa é que mais de 1000 pessoas moram no local. Anteriormente com casas de madeira e hoje de alvenaria, a maioria dos residentes são das cidades de Itu e Salto, sendo uma parte da antiga “Favela do Isaac”, em Itu, que foi desocupada pela Prefeitura durante a antiga gestão.
Ainda em 2017, um grupo de moradores do local foi até a Câmara de Vereadores para pedir auxílio dos parlamentares pedindo a ampliação do prazo para a remoção das famílias, porém os vereadores afirmaram na oportunidade que não tinham como interferir numa decisão judicial.
A reportagem do Agora Itu contatou a Prefeitura sobre a situação da área e até o fechamento da matéria não houve retorno. A Polícia Militar, de acordo com as informações colhidas pela reportagem, ainda não foi notificada da decisão e aguarda um posicionamento da Justiça para inicia qualquer planejamento de desocupação da área.
Vale ressaltar que a operação de desocupação já foi planejada em 2017, porém um novo recurso e a também a impossibilidade da Prefeitura em auxiliar na remoção dos moradores inviabilizou a reintegração de posse.
Há mais de 10 anos, o cemitério foi abandonado pelo ex-proprietário que chegou a vender cotas à clientes, porém não cumpriu o acordo e não deu sequência ao projeto de um cemitério no local. Vários corpos foram sepultados no local ao longo dos anos e em 2014, a extinta Secretaria de Serviços Funerários removeu e levou os restos mortais ao cemitério municipal.
Desde 2013, a BSC Empreendimentos passou a ser a proprietária da área superior a 25 mil metros quadrados e desde então busca alternativas para desocupar o local e investir em loteamentos residenciais e industrial.