Itu amplia geração de empregos durante a crise econômica

O trabalho de reestruturação da administração do prefeito Guilherme Gazzola tem surtido efeito nos números oficiais divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – Caged.

Nesta semana, o departamento do Ministério do Trabalho divulgou uma nova parcial da geração de empregos nos municípios brasileiros referente ao mês de novembro, início do período de contratações temporárias do comércio para as vendas de fim de ano.

Outro fator que pode ter colaborado para um aumento ainda maior na geração de empregos em comparação a outubro é a nova lei trabalhista, que entrou em vigor no dia 11 de novembro.

Ao todo foram 261 novas vagas criadas na somatória das admissões e demissões no período. O setor que chama a atenção e reforça a implementação da nova lei trabalhista é o de serviços. Somente em novembro, o município registrou a abertura de 376 vagas no setor, número que balizou o aumento na geração de empregos da cidade, seguido da Indústria de Transformação e Agropecuária.

Por outro lado, os demais setores da economia tiveram quedas consideráveis na geração de novos postos de trabalho como o comércio, mesmo com o início das vendas de fim de ano. A construção civil e serviços industrial também tiveram reduções, assim como a administração pública com o fechamento de 106 vagas.

Comparação – Quando comparamos a evolução da empregabilidade de Itu com as cidades vizinhas, o município demonstra um crescimento constante.

Em outubro a cidade apresentou um saldo positivo de 92 novas vagas de trabalho criadas, enquanto Salto teve um resultado negativo de – 40 postos de trabalho. Já Indaiatuba apresentava um crescimento de 282 novas vagas.

Neste mês, Itu teve um crescimento proporcionalmente melhor que as duas cidades vizinhas, pois enquanto Itu criou 261 novas vagas, Indaiatuba apresentou 295 postos e Salto apenas 169.

Queda Nacional 

O saldo de empregos formais no Brasil teve resultado negativo em novembro, com uma redução de 12.292 vagas. Segundo o Caged foram 1.111.798 admissões contra 1.124.096 demissões no mês passado: “Esse saldo negativo não significa uma interrupção do processo de retomada do crescimento econômico do país”, destaca o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

De janeiro a novembro foram criados 299.635 novos postos de trabalho no país, o que comprova que a economia segue em processo de retomada: “A economia está crescendo de forma gradual. A melhor forma de distribuição de renda é o emprego. Estamos otimistas. O Brasil vai dar certo”, afirma o ministro.

No comparativo com os dois anos anteriores, o saldo negativo de 12.292 postos de empregos formais em novembro é imensamente menor. Em novembro de 2015 e em novembro de 2016 foram registrados, respectivamente, saldos de -130.629 e -116.747.