Itu e Salto pedem a liberação de verbas para conclusão do Trem Republicano até 2018

O pedido está feito e o convite também. Os prefeitos de Itu, Guilherme Gazzola e Salto, Geraldo Garcia, ao lado dos deputados federais Márcio Alvino e Herculano Passos, entregaram ao presidente Michel Temer um documento explicando a situação das obras do Trem Republicano, atrativo turístico que ligará as duas cidades.
As autoridades locais solicitaram apoio do presidente na liberação de verbas federais e também estaduais, na presença do governador Geraldo Alckmin, para que as obras possam ser retomadas e concluídas o mais breve possível.
A expectativa dos prefeitos é que o projeto seja implementado em sua totalidade em 2018 e aproveitaram a oportunidade para convidar o presidente para a primeira viagem do novo atrativo turístico. A ideia é inaugurar o Trem também no feriado da Proclamação da República, dia 15 de novembro de 2018.
Segundo informações colhidas pela reportagem junto as autoridades locais aproximadamente R$ 8,3 milhões ainda não foram liberados para as obras, tanto na esfera federal (R$ 2,7 milhões – Convênios de Itu e Salto com o Ministério do Turismo de 2008) e estadual (R$ 5,5 milhões – Repasse de verba de Itu e Salto do Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias do Estado de São Paulo de 2013).

Trem – O projeto do Trem Republicano teve início ainda em 2005 durante um evento promovido pelo Movimento de Preservação Ferroviária, pois a história da Companhia de Estrada de Ferro Ituana foi citada já que acabou por ser inaugurada um dia antes da Convenção de Itu, em 18 de abril de 1873.
Efetivamente a ideia saiu do papel em 2008 com a conquista de uma verba do Ministério do Turismo para dar início a criação do projeto turístico, porém desde então a efetiva implementação tem enfrentado inúmeros percalços.
As cidades receberam doações de trilhos através do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte DNIT que começaram a ser instalados em 2014, porém estão suspensas desde o ano passado por falta de verbas federais.
Vale ressaltar que com a paralisação das obras, a manutenção do percurso também está comprometida. As estações ferroviárias de Itu e Salto também passam por reformas, sendo que a da vizinha Salto está mais atrasada.