Novo hospital deve ser inaugurado apenas no próximo ano!

Durante a Audiência Pública de Saúde, na sexta-feira, 29, a secretária municipal da pasta, Janaina Guerino de Camargo, informou que o novo hospital do município ainda está em tramitação e deve ser inaugurado apenas no próximo ano:

“Nós ainda não sabemos se vai ser um Hospital Dia ou um hospital municipal. Se for municipal, vamos ter mais verbas do governo e um atendimento mais amplo, mas existe a barreira orçamentária, e estamos analisando tudo isso.  Tínhamos falado, a princípio, que seria inaugurado em Outubro, mas deve ficar para o próximo ano. Nosso objetivo principal é atender cirurgias de baixa e média complexidade, e isto nós iremos fazer”.

Ela também falou sobre a ideia inicial de comprar dez leitos extras no Hospital Sanatorinhos.

“Isso não vai acontecer. Imaginamos que fosse mais fácil mas recebemos uma recomendação para não fazermos”.

Janaina também lamentou que a UBS Dona Tonica não será inaugurada neste ano.

“A empresa responsável pela obra faliu, veremos então o que será feito. Se continuar a obra terá que ser com recursos do município”.

Além da secretária, participaram da audiência o diretor de Saúde Ricardo Mesquita e o controlador geral Ricardo Giordani, além dos vereadores Maria do Carmo Piunti, que presidiu o evento por ser presidente da Comissão de Saúde da Casa de Leis, José Galvão, Wilson da Farmácia, Sérgio Castanheira, Macruz, Thiago Gonçales, Henrique de Paula, Mané da Saúde e Normino da Rádio.

Um dos temas debatidos pelos vereadores foi o transporte sanitário, especialmente de pacientes oncológicos. Janaína explicou que muitas pessoas reclamavam de ficarem muito tempo dentro do ônibus que transporta os pacientes, e pensou-se em fixar pontos determinados, mas a ideia não deu certo, e hoje existem cinco pontos específicos para aqueles que ainda não desejam ser pegos em casa.

“Rodavam muito tempo dentro de ônibus. Isso gerou muitas reclamações, achamos que seria benéfico para a população mas  retomamos o processo, para atender ao munícipe: todo paciente oncológico é pego em casa e deixado em casa.”

Ela destacou que este será um assunto a ser visto com cuidado no Consórcio de Saúde que irá abranger Itu, Salto e Porto Feliz, já que pacientes debilitados não poderão ficar longas horas nos ônibus.

Diante de algumas reclamações especificas, como atraso no ônibus que leva pacientes para Jaú, Bauru e Botucatu, e uma senhora que caminha dois quilômetros para conseguir pegar o transporte gratuito municipal, os membros da secretaria pediram para que sejam feitas reclamações diretamente para a assistente social.

O vereador Normino questionou a reforma do PAM da Vila Martins. “Estamos fazendo a reforma dentro de um projeto. Lá já chegamos a ter 9 mil atendimentos ao mês. Nossa grande preocupação era com o telhado, com vazamentos. Houve alguns transtornos, mas a população entendeu. São 11 banheiros reformados, 8 já estão finalizados. Até agora estamos conduzindo bem a reforma”, afirmou a secretária.

O diretor Ricardo destacou que o município tem 978 ações ativas e 376 extrajudiciais, de cidadãos que exigem medicamentos e outros. Ele ainda reclamou da omissão de alguns doentes:

“Algumas vezes a  pessoa pede medicamento e depois não vai buscar e a Prefeitura perde dinheiro. Além disso, 40% de pessoas não comparecem em exames ou consultas. Tudo isto é recurso perdido”.

Ele também falou sobre a farmácia distrital, no Centro Administrativo do Pirapitingui, para quem é da região.

“Já está funcionando, mas haverá uma inauguração oficial. Ela será  uma parceria com os estudantes de Farmácia do Ceunsp”

Durante a audiência ainda foi informado que nesta semana ocorreu a licitação para a informatização de toda a rede pública municipal; que já houve o processo licitatório para a UBS 16 do São Camilo, que deve ser inaugurada até o final do ano; e que até dezembro os funcionários de Saúde das UBS e PAM deverão ter uniforme e crachá, além de terem seus nomes fixados em uma lista, para que seja possível saber quem são os profissionais de plantão naquele dia.

Sobre o atraso na previsão de conclusão das obras, a Assessoria de Imprensa da Prefeitura afirmou que:

“deficiências na estrutura física do prédio, maiores do que as avaliadas num primeiro momento, estão ocasionando o atraso nas obras. O cronograma está sendo rearranjado para que esses obstáculos sejam superados o mais breve possível.”